BTA Aditivos - Add Innovation
BTA Aditivos - Add Innovation
PT EN ES
BTA Aditivos - Add Innovation
PT EN ES
Abr 26 2021

A importância da qualidade da água para a avicultura

A qualidade da água utilizada na avicultura é de extrema importância e tem impacto direto no desempenho das aves, manutenção da saúde e bons resultados de produtividade.

A água é considerada um nutriente indispensável para a vida das aves, tanto as de corte quanto as de postura. Há de se levar em consideração todas as funções que ela exerce no organismo e também em todo o ciclo de produção das aves. A água utilizada como forma de bebida tem papel fundamental, pois atua em inúmeros processos do organismo animal, como:

  • Regulação da temperatura corpórea
  • Metabolismo
  • Crescimento
  • Digestão
  • Reprodução
  • Excreção de resíduos metabólicos

Bebedouros devem ser limpos diariamente para garantir a qualidade da água oferecida às aves.

Além disso, também é considerada como insumo para atividades de vacinação, controle térmico do ambiente, limpeza e desinfecção de instalações e equipamentos. Por esta razão, devemos estar sempre atentos a três pontos importantes quando pensamos na água utilizada nas atividades avícolas:

1. Quantidade: a água deve estar disponível durante todo o dia às aves, pois, considera-se que a quantidade de água ingerida é, em média, o dobro da quantidade de ração consumida no mesmo período por elas. Contudo, este consumo pode sofrer variações devido a alguns fatores, como:

  • Temperatura da água
  • Temperatura do ambiente
  • Composição da dieta
  • Sexo e idade das aves

É indispensável que a água esteja sempre disponível, com atenção a sua temperatura que não deve ser superior a 24° C, pois assim pode haver diminuição do seu consumo. Cuidado também com os bebedouros que devem estar sempre em boas condições de uso, limpos, com altura ajustada ao tamanho das aves e com vazão adequada.

2. Qualidade físico-química: antes de se utilizar a água para as atividades avícolas é importante conhecer a sua qualidade. Sendo assim, periodicamente, uma amostra dela deve ser encaminhada ao laboratório de análises, para avaliação das condições físico-químicas, tais como:

  • Dureza
  • Turbidez
  • Ferro
  • pH
  • Sólidos totais
  • Metais pesados

Além disso, características como cor, odor e sabor da água devem ser observadas diariamente, atentando-se para possíveis alterações.

3. Qualidade microbiológica: a contaminação da água por agentes microbiológicos patogênicos pode ocorrer na fonte de captação de água, sejam nascentes ou poços artesianos, na tubulação que conduz a água até os galpões, ou ainda, nos bebedouros através das excretas das aves. Levando em consideração o prolongado tempo de sobrevivência que alguns microrganismos patogênicos possuem na água e ao grande número de aves que tem acesso à mesma fonte de água nos galpões, a transmissão hídrica assume um dos mais importantes problemas na epidemiologia de algumas enfermidade aviárias. Por isso, a monitoria da qualidade da água deve ser periódica, pois as análises bacteriológicas são de extrema importância para indicar uma possível contaminação da água por microrganismos patogênicos.

Controle da contaminação microbiológica

A oferta de uma água de má qualidade na avicultura é motivo de preocupação entre produtores uma vez que que o seu consumo pode acarretar em prejuízos no desenvolvimento das aves, como por exemplo:

  • Diminuição do consumo de ração pelas aves
  • Contaminação por microrganismos patogênicos
  • Aumento dos problemas sanitários, como consequência, desempenho zootécnico dos lotes

Desta maneira, algumas medidas precisam ser adotadas como forma de evitar estes efeitos nocivos aos lotes. Dentre elas, estão a cloração e a acidificação, que são as principais e mais utilizadas ferramentas disponíveis para o controle da contaminação microbiológica da água fornecida às aves.

A cloração tem como objetivo principal eliminar agentes patogênicos, principalmente bactérias, que possam estar presentes na água. Também objetiva deixar uma quantidade de cloro residual livre, a fim de impedir a multiplicação desses agentes nos bebedouros. A quantidade de cloro a ser adicionada varia de acordo o pH e a quantidade de matéria orgânica presente na água. O que se deve ter de atenção neste tipo de tratamento, diz respeito principalmente sobre os níveis de cloro utilizados, pois quando em dosagens mais altas, podem inibir o consumo de água, tendo efeito negativo sob o desempenho das aves. A água ideal deve atender parâmetros químicos, físicos e microbiológicos. Por isso um programa de tratamento da água bem realizado promove eficiência e controle da qualidade.

Os acidificantes são compostos à base de ácidos orgânicos que, quando adicionados à água, ocasionam a redução do pH no papo da ave e, consequentemente, a colonização de patógenos no trato digestivo tende a diminuir. Além disso, devido a acidificação do meio, os ácidos orgânicos fazem com que diminua a capacidade de aderência da bactéria com fímbria à parede intestinal. Estes compostos também têm ação de acidificar o estômago, aumentando a secreção de suco pancreático, equilibrando a flora bacteriana no intestino diminuindo o crescimento de patógenos que ainda possam estar ali presentes.

O acidificante de água H2ACID Oil, é desenvolvido com base em ácidos orgânicos livres, tendo duplo efeito: além de atuar nas estruturas de fornecimento de água, através da prevenção da formação de biofilmes, atua também no equilíbrio da microbiota do trato gastrointestinal das aves. E, para potencializar ainda mais o desempenho animal, H2ACID Oil, traz todos os benefícios dos ácidos orgânicos, somados aos benefícios dos óleos essenciais.

É fundamental que toda água utilizada na avicultura, independente do seu aspecto visual, passe por rotineiras avaliações laboratoriais e, caso seja necessário, se faça a utilização de ferramentas para a controle da sua contaminação, pois a qualidade da água é de extrema importância e tem impacto diretamente relacionado sob o bom desempenho das aves, manutenção da saúde e, consequentemente, bons resultados finais de produtividade.

Para evitar a entrada e a transmissão de agentes contaminantes entenda neste artigo por que o controle sanitário em granjas avícolas é uma medida bastante importante para a biosseguridade do plantel.

Compartilhe:

Daiane Signore Ribeiro - Formada em Medicina Veterinária pela UNOESC e pós-graduada em Tecnologia da Produção de Ração Animal pela UNOESC. Atua como Consultora Técnica na BTA Aditivos.

Veja mais posts do autor
voltar ao topo

Assine a nossa newsletter

Fique tranquilo, não compartilhamos seu e-mail e você pode cancelar sua assinatura quando quiser, com apenas um clique!

Matriz: Xanxerê/SC • +55 (49) 3199-1646

Rua Carlos Emilio Hacker, nº 260 | Linha São Sebastião | Interior | 89820-000

Escritório Comercial: Jaraguá do Sul/SC • +55 (47) 3055-2764

Rua Jacob Buck, nº 105 | Centro | 89251-160

Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível. Ao continuar a navegar no site, você concorda com esse uso. Para mais informações sobre como usamos cookies, veja nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

Aceito e continuar